"Mas as flores, se sentissem, não eram flores, eram gente"
(Alberto Caeiro)